05 jan 2021

Como pagar o seu apartamento em menos tempo: 3 dicas imperdíveis

Compartilhe:

Somente quando cumprimos um objetivo nos damos realmente conta do que significa atingir uma meta. Principalmente quando o assunto é entender o que acontece a partir deste momento.

Ao finalmente comprar sua casa própria, acontece algo semelhante: por anos, toda a sua atenção esteve dedicada a juntar dinheiro para a entrada, escolher o imóvel correto e o financiamento mais adequado ao seu bolso.

Mas aí também é quando uma realidade inevitável começa a acompanhar seus dias: você entende na prática que, por bastante tempo, vai ter que pagar as prestações da propriedade.

Pensando nisso, é bem provável que você comece a pensar em formas de pagar o apartamento em menos tempo. E é justamente sobre isso que vamos falar neste artigo.

Continue a leitura e saiba como pagar seu apartamento em menos tempo!

Como funciona o financiamento?

Antes de entrar nas dicas propriamente ditas, é importante você entender como funciona o financiamento imobiliário

Todas as parcelas que você tem que pagar até quitar a dívida total estão compostas por três valores que, somados, indicam quanto você precisa desembolsar todos os meses.

Ou seja, cada parcela está formada por:

  • uma parte que visa amortizar a dívida total que você contraiu para adquirir o imóvel, chamada de parte principal;
  • os juros cobrados pela instituição que concedeu o crédito; e
  • os encargos compostos pelas taxas da operação e seguros. 

Então, se você pegou um empréstimo de 200 mil reais para adquirir o imóvel, este valor é dividido pela quantidade de meses negociada no contrato e o resultado é acrescido dos juros do contrato mais encargos. 

E como o sistema de amortização mais comum no Brasil é o SAC (Sistema de Amortização Constante), no começo do financiamento você paga mais juros do que no período final. Ou seja, as parcelas tendem a diminuir com o passar do tempo. 

Neste caso, se as suas parcelas são de R$ 1.000,00, no começo, você pode estar pagando R$ 500,00 para amortizar a dívida total e R$ 500,00 para pagar juros e taxas, por exemplo. 

Assim, considerando o valor do empréstimo, sua primeira parcela deixaria um saldo devedor de R$ 199.500,00, já que somente R$ 500,00 correspondem à dívida. 

Com o passar dos anos, ainda que a parte principal se mantenha fixa, o valor acrescido dos juros e taxas será menor. Mas, mesmo com a diminuição do montante desembolsado todos os meses, pagar o apartamento em menos tempo é uma ideia que não sai da cabeça da maioria dos proprietários. 

E se você faz parte deste grupo que quer se livrar o antes possível das prestações, vamos passar para a melhor parte do artigo. Vamos contar quais são suas opções para antecipar a quitação do imóvel!

#01 Use seu décimo terceiro e ingressos extras

Quem tem emprego fixo conta com o benefício do décimo terceiro salário todos os anos. Pode ser que o valor não seja representativo, quando comparado ao tamanho da dívida, mas usando-o com sabedoria, dá para antecipar o pagamento de algumas parcelas.

Você não necessariamente precisa receber esse direito previsto em lei e aplicar diretamente no pagamento da dívida. Uma das opções é aplicar o dinheiro em investimentos que tenham um bom rendimento, como o Tesouro Direto, e esperar ele render antes de usar para antecipar o pagamento do apê.

Aliás, já falamos aqui como usar o 13º salário para comprar um imóvel. Você pode dar uma olhadinha no artigo e aplicar a mesma lógica para pagar seu apartamento em menos tempo. 

Em relação aos ingressos extras, seja no caso de você ter a sorte de receber uma herança, ganhar algum prêmio ou até uma grana extra por algum serviço que fez, sugerimos que esses recursos sejam aproveitados da mesma forma como no caso do décimo terceiro salário. 

#02 Aproveite o FGTS 

O FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) é um potente aliado de quem quer antecipar o pagamento de um imóvel. Você pode tanto usar o recurso para reduzir o valor das parcelas como para amortizar a dívida principal, se a ideia for realmente reduzir o tempo de financiamento. 

Para tanto, a condição é ter usado o FGTS há mais de dois anos. Se você se encaixa nesse perfil, pode aproveitar o valor que você tenha no fundo para aliviar a dívida.

Como o FGTS rende menos do que os juros do financiamento, é uma ótima opção migrar os valores para amortizar a dívida. 

Outra vantagem é que, em 2020, o FGTS teve um rendimento superior ao que é previsto por lei, com uma correção de 4,9%. Nesse sentido, você tem um valor um pouco maior para pagar seu apartamento em menos tempo.

#03 Reforce sua disciplina financeira e quite as últimas parcelas

Economizar todos os meses não é fácil, e todos sabemos como o Brasil está passando por um momento difícil economicamente. Mas se você tiver margem para gastar menos, nada melhor do que pensar de forma inteligente e poupar recursos para pagar seu imóvel.

A cultura da economia é algo que se pratica com disciplina, e ela só funciona se você organizar seus gastos e controlar cada real que sai do seu bolso. Para tanto, a tecnologia está a seu favor, já é bem comum encontrar aplicativos gratuitos que ajudam, e muito, a saber para onde está indo seu dinheiro. 

Em outro post, falamos sobre como você pode fazer um planejamento financeiro familiar. Dê uma conferida nele e veja que não é tão difícil poupar, principalmente seguindo alguns passos simples que todo mundo pode fazer.

Com isso em mente, e em prática, você pode criar um fundo pessoal com estas economias e usar para ir pagando as últimas parcelas do financiamento, aos poucos. De quebra, você ainda deixa de pagar os juros e taxas relativos às últimas prestações. 

E por falar em taxas e juros, você sabe como funciona essa parte do financiamento imobiliário? Confira o post Entenda a taxa de juros no financiamento imobiliário e tire todas as suas dúvidas!